MST entra na campanha por democratização da mídia


A luta dos trabalhadores do campo pela Reforma Agrária e por justiça social, reivindicações do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), são criminalizadas diariamente pela mídia brasileira.

Para os militantes que participaram do evento de lançamento do Projeto de Lei da Mídia Democrática no Dia do Trabalhador, esta é a realidade que aponta para a necessidade de mudança nas comunicações no país.

Organizado pela campanha “Para Expressar a Liberdade”, o evento aconteceu no Acampamento Permanente Hugo Chavez, do MST, em Brasília. Além da apresentação do projeto, houve um debate e coleta de assinaturas dos participantes da atividade.

No debate, que teve plenária cheia, os Sem Terra denunciaram os interesses econômicos e políticos que inviabilizam o acesso aos trabalhadores dos meios de comunicação, inclusive as rádios comunitárias locais.

“Se é radio comunitária, tem que ser para nós. A rádio comunitária da minha região é dos usineiros”, disse Batatinha, militante do MST em Sergipe.

Os Sem Terra avaliam que a luta na área da comunicação é injusta, pois as televisões e rádios, locais e nacionais, criminalizam os protestos dos movimentos pelo acesso à terra. Com matérias negativas sobre as ocupações, “colocam a comunidade contra as ocupações”, como disse um dos trabalhadores Sem Terra.

“A cerca da comunicação tem impedido a própria sociedade de se expressar livremente nos seus direitos, na sua visão política, na sua ideologia”, explica Geraldo Gasparin, integrante da coordenação do acampamento Hugo Chávez.

“Infelizmente, a posição do governo, através do Ministério das Comunicações, que não tem se posicionado e acolhido o debate da sociedade civil pelo Marco Regulatório das Comunicações, obriga a sociedade se posicionar. O acampamento é parte dessa luta”, disse.

O projeto de lei, iniciativa da sociedade civil, regulamenta os artigos da Constituição que tratam de rádios e televisões. Nele há a destinação de um terço dos canais para rádio e televisões públicas (sendo 15% desses para canais comunitários), além da garantia da produção de conteúdos locais e regionais.

A proposta também prevê a criação de um Fundo Nacional de Comunicação Pública para o apoio dos canais públicos e comunitários, além da definição de regras para impedir a formação de monopólio nos meios de comunicação.

Nos estados

Em pelo menos cinco estados brasileiros ocorreram ações de coleta de assinatura e debate sobre o tema – a marca de 1 milhão e trezentas mil assinaturas colocará o Projeto de Iniciativa Popular em debate no Congresso Nacional.

Os atos foram realizados por centrais sindicais e movimentos sociais nas cidades de São Bernardo do Campo, Aracaju, Contagem, Brasília, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Belém. Veja como foram as atividades.

Rio de janeiro (RJ)

Na capital fluminense, a celebração dos trabalhadores foi antecipada pelas centrais sindicais para o dia 30 e a Frente Ampla pela Liberdade de Expressão do Rio de Janeiro (Fale-Rio) se mobilizou para estar presente e iniciar a divulgação do Projeto de Lei em lugares como a Cinelândia e o Beco do Lume (já houve pré-lançamento no dia 26 na praça XV).

Aracaju (SE)

Em Sergipe foram montadas bancas para coleta de assinatura em três locais na cidade de Aracaju: Arcos da Orla, Sol Nascente e Santa Maria. As ações foram organizadas pela Central Única dos Trabalhadores, Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU), Partido Comunista Brasileiro (PCB) e o Fórum Sergipano pelo Direito à Comunicação (DiraComSE). “Fizemos barraquinhas e os militantes da comunicação colheram assinaturas e debateram o tema com a comunidade. Temos uma avaliação bastante positiva desse primeiro momento pois conseguimos dialogar com o povo da cidade e do interior, com os trabalhadores, a juventude, com os movimentos das mulheres e os grupos culturais, como o hip-hop”, disse Paulo Victor Melo, da DiraComSe. Nesta quinta-feira, a DiraComSE realizará coleta de assinaturas em Estância, no interior do estado.

Porto Alegre (RS)

A coleta de assinaturas foi realizada pelo Comitê pela Democratização da Comunicação no Rio Grande Sul e pela CUT/RS na capital Porto Alegre, no bairro Humaitá, com as atividades também inseridas na programação do Dia do Trabalhador. O projeto de iniciativa popular recebeu a adesão de moradores do bairro, trabalhadores que vieram participar das atividades, militantes de movimentos sociais, parlamentares e outras autoridades políticas, entre elas o ex-governador do RS, Olívio Dutra.

Na próxima semana, o Comitê gaúcho realiza reunião para organizar o calendário de mobilização em torno do projeto em conjunto com as atividades de apoio ao projeto de lei que cria o Conselho Estadual de Comunicação do RS, que deve ser protocolado em breve na Assembleia Legislativa. “Todos os avanços, pelos quais lutamos e sonhamos no Brasil, passam pelo caminho da democratização da comunicação”, sintetiza a coordenadora do comitê, Eliane Silveira, jornalista e militante da Marcha Mundial das Mulheres.

Contagem (MG)

Em Minas Gerais a coleta de assinatura foi realizada pela CUT-MG e pelo Comitê Mineiro do FNDC/MG em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A campanha pela democratização das comunicações foi apresentada para cerca de cerca de 5 mil pessoas por ocasião da Missa do Trabalhador.

Além das pautas regional e nacional da Central, o secretário de Comunicação da CUT-MG, Neemias Rodrigues, aproveitou a ocasião para lançou a campanha de coleta de assinaturas do projeto de lei: “A CUT está nesta luta pela quebra do monopólio da comunicação. Não é mais possível que apenas seis famílias controlem a mídia no Brasil”, afirmou.

Belém (PA)

A coleta de assinaturas aconteceu em praça pública com diálogo com a população em geral, trabalhadores, juventude e movimentos sociais. Participaram a CUT, CTB, movimento estudantil, Coletivo Kizomba, União da Juventude Socialista, Juventude do Partido dos Trabalhadores.

Brasília (DF)

Em Brasília, as atividades de lançamento da Lei da Mídia Democrática aconteceram no Acampamento Hugo Chavez, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), com debate sobre a temática da democratização da comunicação e coleta das assinaturas. Para Geraldo Gasparin, integrante da coordenação do acampamento Hugo Chavez, o debate é imprescindível para os trabalhadores sem terra: “existe uma cerca que impede os camponeses de viver e produzir com dignidade no campo, mas, além da cerca do latifúndio, aprendemos também que existe uma cerca que precisa ser rompida, que é a da comunicação. Há um latifúndio da mídia nesse país e nós precisamos nos organizar também para democratizar o acesso à comunicação, um direito inalienável de todos os trabalhadores”. A atividade contou com apresentação do filme “Levante sua Voz”, além de debate com os camponeses e coleta das assinaturas.

São Bernardo do Campo (SP)

Em São Paulo as atividades aconteceram em São Bernardo do Campo, no ABC paulista. As atividades também se concentraram nas ações do Dia do Trabalhador com a organização do Comitê de São Paulo do FNDC, Intervozes, Barão de Itararé e da CUT/SP. Houve muita conversa sobre o tema e centenas de assinaturas pelo projeto de iniciativa popular.

Fonte: Brasil de Fato

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s