25 de Julho dia internacional da mulher negra


mulhernegra

O Dia da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha foi instituído no 1º Encontro de Mulheres Negras da América Latina e do Caribe, que teve representação de mulheres negras de mais de 70 países, na República Dominicana, em 1992.

A data se tornou um marco internacional da luta e da resistência das mulheres negras, com o objetivo de tornar visível o racismo, a discriminação, o preconceito, a pobreza e os demais problemas que herdaram de uma sociedade estruturada no capitalismo, que tem como pilares o patriarcado (sistema de poder dos homens sobre as mulheres) e o racismo (a dominação dos brancos sobre os negros).É uma forma de parar para refletir sobre os problemas que as mulheres negras enfrentam durante sua vida, todos os dias.

A sociedade brasileira foi marcada pelo modo de produção escravista colonial, onde a mão-de-obra era de escravos trazidos da África. A chegada das mulheres africanas marcou a formação social brasileira. Essas mulheres trouxeram tradições ancestrais que influenciaram a língua, os costumes, a alimentação, a medicina e a arte, além de introduzirem métodos agrícolas, vários produtos e valores coletivos no Brasil.

Este novo país impôs papéis sociais para essas mulheres negras que passaram a ser brasileiras. As mulheres negras foram escravizadas e exploradas pelos senhores. Pelo fato de serem mulheres, também foram exploradas sexualmente, usadas como prostitutas e também cumpriram com o papel de alimentar gerações de crianças brancas, sendo, por diversas vezes, forçadas a abandonar seus próprios filhos.

Esses são alguns fatos que demonstram a situação desumana da mulher negra desde sua chegada no Brasil, que têm reflexos até os dias de hoje.

No Brasil, por exemplo, as mulheres negras têm menos anos de estudo que as mulheres brancas e recebem um salário cerca de 50% menor. 90,23% da população negra economicamente ativa está no emprego doméstico, enquanto na população branca este percentual é de apenas 6,1%. A maioria das mulheres negras chefes de família (60%), isto é, sem companheiro para contribuir com a renda, tem rendimento de até um salário mínimo.

Fonte: Levante Popular da Juventude

É por esse histórico de opressão que assim como o LPJ o Centro Acadêmico Amaro Cavalcanti se compromete em lutar pela igualdade de gênero e raça, por uma universidade pintada de negras.

“Negra, marcada em brasa, maltratada na senzala, assediada na casa, sedenta e faminta!
Negra, acorrentada, chicoteada, estuprada,
Derramando suor e sangue…
Negra, pessoa de fé e esperança,
Sonhando com justiça e liberdade!
Negra, mulher forte e guerreira
Mulher negra é inspiração para a revolução!”
(Maria do Carmo Santos)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s